terça-feira, 24 de novembro de 2015

Calúnia: o mal que devemos evitar

"Não calunieis o servo diante do seu senhor, para que aquele te não amaldiçoe e fiques culpado" (Provérbios 30.10).

O tema sobre o quela queremos discorrer é um assunto que todos conhecemos, ou porque não dizer, alguns de nós, em algum momento da vida, já fomos vítimas de calúnia, se não, pelo menos conhecemos histórias de alguém que sofreu os males que ela traz.

O que é uma calúnia? Calúnia é uma afirmação maliciosa intencional que visa prejudicar a pessoa sobre quem foi dita. A Bíblia frequentemente adverte contra a calúnia ou o caluniador propriamente dito. Desde o Antigo até o Novo Testamento observamos que Deus abomina o caluniador, ou o difamador. Vejamos algumas passagens que corroboram com essa verdade. Em Êxodo 20.16 está escrito: "Não espalharás notícias falsas, nem darás mão ao ímpio, para seres testemunha maldosa. Não seguirás a multidão para fazeres mal; nem deporás, numa demanda inclinando-te para a maioria, para torcer o direito". Observe que quem diz essas palavras é o próprio Deus; por conseguinte, é dever de todo cristão guardar os mandamentos do Senhor.

A Bíblia declara que a testemunha falsa não ficará impune (Pv 19.5,9); que Deus nos guarde de enveredarmos por esse caminho! Às vezes, as pessoas não são as autoras da calúnia, mas as escutam ou leem; e mesmo não sabendo se o que escutaram ou leram é verdadeiro, divulgam e indiretamente se tornam pessoas difamadoras, ou caluniadoras. 

Quando analisamos o termo na língua original do Novo Testamento (grego), a palavra caluniador (diabolos) quer dizer "diabo". Jesus disse que satanás é o pai da mentira (Jo 8.44), logo quem tem essa prática, no mínimo, é agente de satanás, e esse não é um título digno para nenhum cristão. Tenhamos cuidado, amados, pois Deus aborrece o caluniador. Observe o que diz em Provérbios 6.16: "Seis coisas o Senhor aborrece e a sétima sua alma abomina: os olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal; testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre irmãos".

A calúnia anda de mãos dadas com a mentira, a inveja e a maledicência, e todas essas atitudes são daninhas e condenáveis por Deus, pois o caluniador, ao difamador, falta-lhe o amor. A Bíblia nos aconselha a não termos inveja (Sl 34.1-3). Em geral o caluniador aborrece seu irmão e indubitavelmente está correndo um grande risco, pois o apóstolo João diz: "Se alguém diz: Eu amo a Deus e aborrece a seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?" (1 Jo 4.20).

O caluniador precisa de cúmplices para serem seus agentes a fim de proliferar a difamação. Muitas vezes nem se encontra o caluniador, pois ele deixa seu veneno e desaparece e a vítima sofre seu mal, mas a Bíblia diz que o Senhor destruirá aquele que difama seu próximo às escondidas (Sl 101.5).

Queridos cuidemos as nossas línguas, a fim de que jamais entremos nesse jogo sujo de prejudicar o nome de qualquer pessoa! Quando você ouvir um comentário a respeito de alguém, ainda que seja um inimigo seu, não espalhe, procure averiguar, e diga no seu coração: "Afinal, o que tenho eu com a vida alheia? Vou prestar conta a Deus do que as pessoas fazem ou do que eu digo das pessoas?". São perguntas que nos levam a observar se estamos agradando a Deus ou não. Cuidemos nossa língua para não acontecer conosco o que diz o apóstolo Tiago no capítulo 3.6-9.

Que o Espírito Santo fale ao meu e ao seu coração e que possamos ter o propósito de não sermos difamadores, porque fazendo assim não parecemos ser filhos do Altíssimo. Sigamos a carreira cristã, não bisbilhotando a vida alheia, mas, em primeiro lugar, olhando para Jesus (Cl 3.1), amando nossos irmãos, e cuidando as nossas palavras. Devemos buscar ocupar o nosso pensamento com "tudo que verdadeiro, tudo que é respeitável, tudo que é justo, tudo que é puro, tudo que é amável, tudo que é de boa fama, se alguma virtude há e se há algum louvor"; isso é o que deve ocupar o nosso pensamento (Fl 4.8). Lembre-se de que aquele que tem o nome de caluniador é satanás, e quem se presta a caluniar está a serviço dele. Que Deus nos guarde!

Judite Alves - Psicóloga, terapeuta familiar, esposa do Pr. Presidente da IEADPE, coordenadora-geral dos Círculos de Oração da IEADPE e coordenadora-geral do Projeto Samuel.

Fonte: Jornal ADNews - ed nov 2015, ano 5, num 44 
Fonte da imagem: https://amandanonn.wordpress.com/2013/03/14/cp-art-138-calunia/  --data acesso 24/11/2015 às 15:35

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

O que a Bíblia diz sobre as drogas?

        A Palavra de Deus não se restringe a combater os vícios mas também trata da libertação do viciado. Quando falamos em drogas estamos a nos referir sobre toda substância química natural ou de ordem sintética que gera alteração nas funções do comportamento do corpo humano, atuando diretamente no sistema nervoso central. E a sociedade atual, em pleno Século XXI, consideram a existência de drogas lícitas (medicamentos) e drogas ilícitas. 

Existem dois tipos de drogas: as calmantes (ou tranquilizantes) e as drogas alucinógenas. E quando paramos um pouco para avaliar como se dá essa dependência de pessoas às drogas, podemos dizer que tudo começa pela experimentação. Este é o primeiro estágio do drogado. No início ele foi um experimentador. Provavelmente, pelo efeito das drogas a pessoa vem a se tornar um usuário ocasional, ou seja, de vez em quando usa drogas. Porém, mais uma vez o efeito danoso da droga pode fazer com que ele se torne um usuário funcional, que só consegue produzir um resultado com ou pelo efeito da droga. Até que infelizmente ele se torne um usuário disfuncional, dependente, ao ponto de vender objetos e causar danos à vida familiar só para poder comprar e usar drogas.
Mas, o que leva muitos adolescentes, jovens e adultos a se drogarem? A resposta é um conjunto de fatores que podemos tentar condensar em quatro categorias: a influência de falsos amigos, a curiosidade, o desajuste familiar e a influência maligna. 

Um dos possíveis fatores que levam adolescentes, jovens e adultos a usarem drogas é a influência de falsos amigos (Sl 42.7 – “um abismo chama outro abismo”). Isso afirmamos porque os viciados geralmente passam para os outros a ideia de que as drogas são desejáveis. E muitos acabam se deixando envolver para não ser diferente do grupo ou para não sofrer pressão dos outros. 

Em segundo lugar, uma das características dos adolescentes e dos jovens é a curiosidade. E o perigo é não saber discernir entre o bem e o mal. Neste sentido, a curiosidade leva a experimentar certas coisas, como os tóxicos, conduzindo as pessoas à dependência ou à morte. Mas a recomendação bíblica para todos que me ouvem é: Ec 12.1 e II Tm 2.22. 

Outro fator que leva os adolescentes e jovens a usarem drogas está associado ao desajuste familiar, pois pesquisam comprovam que os viciados em drogas, em sua maioria, são oriundos de lares desajustados. Por falta de uma educação adequada, de afeto, de carinho e de uma educação cristã, muitos se deixam levar pelos colegas da escola ou de trabalho e enveredam pelo caminho dos vícios, alcoolismo, drogas e prostituição. 

E, por trás dos vícios existe uma influência maligna, com o intuito de escravizar o ser humano e distanciá-lo de Deus. É por isso que em Jo 10.10 está escrito que ele veio para roubar, matar e destruir. Mas se você se encontra numa vida de dependência das drogas, saiba hoje que Jesus veio para desfazer as obras do Diabo, e te dar vida, e vida com abundância. A Bíblia tem sempre algo a dizer sobre todo e qualquer problema social. Em Ef 5.18, por exemplo, a Bíblia já nos aponta um perigo dos vícios - a contenda, e por isso é que a Palavra de Deus convida o homem a se encher apenas do Espírito Santo de Deus. Até porque acreditamos que o uso do fumo, das bebidas alcoólicas e das drogas promovem a destruição do corpo. 

Mas a Palavra de Deus não se restringe a combater os vícios mas também trata da libertação do viciado. Observe o que diz Is 55.2, 3a. Infelizmente a mídia promete momentos agradáveis, amigos, mulheres e sucesso, mas a Bíblia admoesta sobre as consequências das drogas (Pv 20.1). 

Hoje, infelizmente, o consumo de bebidas alcoólicas está muito difundido entre os adolescentes e jovens. O impacto do consumo de álcool e das drogas nas pessoas e famílias é devastador: momentos ruins e violentos, menos amigos, prejuízos físicos, depressão, problemas financeiros e relacionamentos destruídos. Seria bom que os anúncios de bebidas alcoólicas divulgassem os efeitos negativos do uso desses produtos e das drogas. 

Mas, por que a Bíblia condena o uso de drogas? Em primeiro lugar, porque as drogas são um pecado contra o corpo (I Co 6.18-20). Em segundo lugar, as drogas escravizam as pessoas. E Deus não criou o homem para viver dominado pelo vício (I Co 6.12). Em terceiro lugar, as drogas causam sofrimento para o usuário e para o próximo. E no final de tudo o usuário é o maior prejudicado. Há viciados que roubam dinheiro e objetos de casa para trocar por droga. Há viciados que largam o trabalho e deixam a família padecer necessidade. Outros chegam até a entrar para o mundo do crime, se tornam até agressivos, e com isso sofrem a família e os amigos mais próximos. Em quarto lugar, as drogas sustentam o mundo do crime, movimentando bilhões de reais e enriquecendo os malfeitores, o que implica no aumento da violência urbana. E por fim, porém não menos importante, as drogas afastam o viciado de Deus. 

Mas, graças a Deus que a notícia deste dia é que há esperança e solução para o viciado. Caso você tenha problemas com drogas ou conviva com algum viciado em sua família, o Deus Todo Poderoso pode libertá-lo agora mesmo. (Jo 8.32, 36 e Sl 37.5). 

Fonte: site IEADPE

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Assembléia de Deus Águas Compridas 1

Assembléia de Deus Águas Compridas 1

Mapa Assembléia de Deus - Aguas Compridas 1